Pedido de remoção do perfil 'Beatriz Clama Por Justiça' é negado por juiz


Em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, foi negado o pedido de remoção ou bloqueio do perfil 'Beatriz Clama Por Justiça' hospedado em uma rede social na internet. O processo judicial foi movido pelo Colégio Nossa Senhora Auxiliadora. A instituição pediu que a justiça impedisse as publicações e compartilhamentos de imagem da página online, alegando que o conteúdo divulgado denegria a honra do colégio.
De acordo com as informações do processo, não foram apresentadas provas capazes de convencer da verdade das alegações. O juiz Josafá Moreira decidiu negar o pedido de bloqueio e/ou remoção por considerar que a página online não traz prejuízos à imagem do colégio.
A página foi criada para mobilizar a população e não deixar cair no esquecimento o caso da menina Beatriz Angélica, que foi assassinada no dia 10 de dezembro do ano passado, durante uma festa de formatura que acontecia dentro do colégio.
A mãe de Beatriz, Lúcia Mota, comentou o julgamento do processo. "Nossas declarações nas redes sociais, rádios e Tvs não tem intuito de denigrir a honra do colégio. Nós estamos confirmando as informações com base jurídica e nas investigações”, declara.
De acordo com Lúcia, a campanha com a divulgação de cards não vai ser suspensa e já foi planejada uma segunda fase. “Seriam dez cards e divulgamos nove até agora. Estamos preparando a segunda fase dos cards, para deixar a sociedade informada de tudo que está acontecendo. Os cards foram traduzidos para o alemão, espanhol e francês para serem publicados em jornais internacionais. Após a divulgação recebemos denúncias importantes e a população está ajudando”, revela.
G1 entrou em contato com o Colégio Nossa Senhora Auxiliadora para obter uma declaração sobre a decisão judicial, mas ainda não foi encaminhada uma resposta.
Caso Beatriz:
Delegada Gleide Ângelo (Foto: Luana Bernardes/ TV Grande Rio)Delegada Gleide Ângelo
(Foto: Luana Bernardes/ TV Grande Rio)
A delegada da Polícia Civil de Pernambuco, Gleide Ângelo, chegou no dia 13 de dezembro em Petrolina. Ela assumiu a responsabilidade de investigar o caso do assassinato e as investigações seguem em sigilo.
No dia 10 de dezembro, a morte de Beatriz completou 1 ano e até o momento nenhum suspeito foi preso. A polícia até agora não descartou nenhuma linha de investigação. Segundo o delegado Marceone Ferreira, tudo indica que o crime não foi planejado para atingir Beatriz, mas, qualquer outra criança. Já o promotor responsável pelo caso, Carlan Carlo, acredita que a morte tenha motivação religiosa.
A última imagem que a polícia tem de Beatriz foi registrada às 21h59, quando ela pede para ir até o bebedouro, localizado na parte inferior da quadra. Depois desse momento, a criança não retorna mais para o lado da mãe e não foi mais vista por nenhuma testemunha.
Atualmente o inquérito está com o Ministério Público. Os documentos estão divididos em 13 volumes, com seis anexos. Até o momento foram feitas 137 perícias e 208 pessoas foram ouvidas. Um suspeito foi apontado como homem que abordou Beatriz no dia. Ele aparece em imagens de câmeras de segurança, rondando o colégio e entrando na escola 20 minutos antes do crime. Com ajuda de testemunhas. Um retrato falado foi feito, mas a polícia ainda não tem informações sobre o suspeito.
G1 Petrolina 

Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..