Após morte de jovem gestante, médico propõe novo modelo de saúde pública da mulher no Vale do São Francisco



Após a trágica morte de uma jovem de 17 anos durante trabalho de parto no Hospital Dom Malan (HDM)/Imip, em Petrolina, o médido e professor Álvaro Pacheco enviou este artido ao Blog, pelo qual defende um novo modelo de saúde pública para mulheres da região, com o envolvimento da sociedade e dos órgãos governamentais.
Confiram:
Repercute nas redes sociais o óbito de gestante de 17 anos no Hospital Dom Malan-IMIP em Petrolina, o qual é atribuído, segundo conhecido Blog local (http://www.carlosbritto.com/gestante-de-17-anos-morre-no-hdmimip-porque-equipe-medica-teria-se-recusado-a-fazer-cesariana-denuncia), à “não realização de parto cesariano que teria sido solicitado pela paciente, pois a mesma estava com pressão alta e com dor”.
Tragédia, ninguém tenha dúvida. Todos, certamente, sofremos com isso. Obviamente, ninguém sofre tanto quanto à família da falecida. Isso também é indiscutível. Pergunto, porém, o que acontece depois de vir a público uma situação como essa? Quais as lições, como reagem e quais os desdobramentos que conduzimos – enquanto comunidade – com esse fato que, com toda a razão, a todos nos toca?
Observando as reações nestas mesmas redes sociais, parece-me que uma das formas das pessoas reagirem é extremamente intempestiva, manifestada pela “revolta e pela indignação com o fato”, ”culpando a tudo e a todos”, exigindo a “punição dos culpados” ou até mesmo capitalizando de maneira mesquinha seus interesses pessoais. Há pessoas que vivem de explorar a desgraça alheia e alguns até ganham muito bem pra isso.
Vamos abordar outros pontos. Desde pequeno, nas lições do Catecismo e em casa, uma sentença entrou em minha cabeça e me serve de guia para muitos dos meus passos: ”A verdade é o que nos liberta”. Atualmente, inclusive, vivemos a época da informação, da internet e seus “aplicativos para 140 caracteres”, escravos de conteúdos resumidos e que enchem de conhecimentos, mas não garantem sabedoria.
Esta vem com profundidade, conhecimento mais radical, aprofundado e bom uso deste. E nos aproxima da verdade. Já que esta se encontra em algum ponto entre as diferentes versões apresentadas da história.
Pessoalmente, parece-me irresponsável emitir opinião específica sobre o episódio publicado, sem antes ouvir as versões da história oferecidas pelo Hospital, pelos assistentes ou pelos demais envolvidos no caso, valorizando apenas a informação de um suposto e não identificado “leitor do blog”.
Portanto, minha contribuição inicia com alguns esclarecimentos que podem nos ajudar a ter uma visão mais profunda sobre o tema. Permitam-me tentar contribuir com alguns fatos.
O primeiro e mais gritante deles é que o Brasil é o campeão  de partos cesarianos. Atualmente a maioria das mulheres no Brasil traz seus bebês à luz através de cirurgia. Em nenhum país no mundo são realizadas tantas cesáreas quanto no Brasil. Isso também porque talvez em nenhum país do mundo se acredite, ou se venda levianamente, a falsa ideia de que a cesárea é sempre a melhor solução.
O parto no Brasil há muito deixou de ser encarado como um evento familiar e fisiológico e passou a ser divulgado e trabalhado como uma situação patológica, um evento médico, para o qual “a solução” é: a cesariana. Por outro lado, apesar das altas taxas de cesárea, nossos indicadores de mortalidade materna são significativamente piores que da maioria dos países do chamado Primeiro Mundo, nos quais prevalecem os partos normais.
Para esclarecimento, nós temos uma Razão de Mortalidade Materna (a forma que os estudiosos avaliam a frequência de morte materna no mundo), atualmente quase 10 vezes maior que de países como Noruega, Finlândia, Holanda – todos com uma taxa de partos cesarianos no mínimo a metade do que o Brasil realiza atualmente.
Ao contrário da impressão de muitos leigos, o parto cesariano está associado a maior risco de complicações como infecção, trombose ou sangramentos que aumentam em muito a chance de morte materna. Portanto, é uma visão simplória que a cesárea tem efeito protetor para as mulheres e o parto normal é um indicador de assistência inadequada. Não falo de impressões pessoais, mas como alguém que contribuiu com o tema.
Em minha dissertação de Mestrado, na qual foram estudados os fatores que aumentam o risco da mulher ter alguma complicação ou risco de morte por causa da gestação, foi evidenciado que o parto cesariano aumenta em até 2 vezes o risco de morbidade grave, comparado ao parto normal, o que está em acordo com a literatura médica atual sobre o assunto.
Importante considerar também que, ao contrário do que a população leiga imagina, os riscos de morrer por causa de hipertensão na gravidez não cessam após o parto. Na verdade, a maioria das mortes de mulheres durante o ciclo de gravidez e parto em nossa realidade ocorre depois do nascimento, por complicações da própria doença, mas que podem ser potencializadas pelo parto cesariano, associado com as complicações citadas, e outras não descritas.
Além disso, ao contrário do que muito se fala, para os médicos é mais fácil fazer uma cesariana – a qual dura em média 30 minutos – do que assistir a um parto normal – o que pode demorar significativamente mais, a depender de cada situação. São fatos expostos. A sabedoria de usá-los nos julgamentos e opiniões sobre o assunto dependem, a partir de agora, de cada um.
Agora, a minha segunda contribuição passa a ser uma convocação. Além de refletirmos e debatermos sobre o assunto, acredito ser fundamental partirmos para a ação. A comoção e indignação que fatos como o acima descrito nos trazem devem nos motivar (e não acovardar por julgamentos superficiais no falso anonimato da Internet) a avaliar de verdade qual é o nosso atual modelo de atenção as nossas famílias antes, durante e após a gravidez.
É uma realidade e fatos que para muitos ainda não são conhecidos e, por esse motivo, simplificam-se as respostas com uma acusação leviana: “a culpa foi dos médicos que não fizeram a cesárea”.
Foi mesmo? É só isso que nos incomoda? É só isso que conseguimos pensar? E quanto às outras grávidas em trabalho de parto diariamente em macas, devido a maternidades superlotadas? E aquelas que são transferidas de ambulância por mais de 400 km, porque seus municípios não têm maternidades próximas? Isso não nos motiva a nada?
É preciso que paremos um pouco para avaliar se os profissionais têm trabalhado em condições adequadas (materiais, número proporcional de pacientes por turno de atendimento) acomodações justas para pacientes e equipe, se todos os serviços e municípios contribuem com o cuidado (comprar ambulância é a única solução, uma atitude “humanizada”?) e se todos os esforços governamentais para que a linha de atenção à saúde de nossas mulheres seja realmente executada.
O problema vai mais além do que os vossos olhos inquisidores veem.
Portanto, estou criando a proposta de nos reunirmos enquanto comunidade interessada, atuante e cidadã, para passarmos a limpo quais os verdadeiros problemas relacionados à Saúde da Mulher, de modo a elaborarmos propostas e atuarmos para melhorar nossa qualidade assistencial.
Sugiro e convido aqui, a quaisquer interessados a um movimento politizado, porém não partidarizado, para iniciarmos esse movimento de vigilância e cuidado social. Um observatório da Saúde da mulher do Vale do São Francisco.
Disponibilizo meu endereço eletrônico (negoalvo@bol.com.br) para que os interessados entrem em contato para irmos além da “rebeldia de Facebook” e passarmos a agir como verdadeiros cidadãos.
Que a verdade nos liberte e nos permita crescer.
Álvaro Pacheco/Médico Ginecologista e Obstetra e Professor de Saúde da Mulher da Univasf

Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..