Pacientes acusam HDM/Imip de privilegiar atendimento a funcionária da UPA; direção do hospital rechaça denúncia


Depois da repercussão acerca da morte de uma gestante de 17 anos, há uma semana, o Hospital Dom Malan (HDM)/Imip voltou a se envolver em nova polêmica. Alguns pacientes acusam a direção do hospital de supostas regalias a uma funcionária da UPA em Petrolina, identificada por Graziela Larisse Diógenes Cabral.
De acordo com a denúncia, Graziele deu entrada na unidade na última quarta-feira (15), na Enfermaria Ginecológica do HDM/Imip, onde estaria ocupando sozinha um quarto no qual cabem outros duas pacientes. Além disso, a funcionária estaria recebendo visitas a qualquer hora do dia, o que fere as normas do hospital, e também se utilizando de um climatizador exclusivamente para ela.
Revoltada, uma das mulheres que procuraram pelos serviços do hospital contou a este Blog que os médicos do HDM/Imip “ficam regulando as pacientes para a Maternidade de Juazeiro (BA), com a desculpa de que o hospital está cheio, enquanto pacientes do lado de fora, esperando atendimento, são reguladas para Juazeiro, quando uma pessoa só ocupa a vaga de três. Isso não é justo”, desabafou.
O aborrecimento das demais pacientes é ainda maior porque, segunda elas, a funcionária da UPA seria amiga muito próxima de coordenadoras da equipe do hospital, que teriam conseguido facilitar os supostos privilégios da amiga.
Resposta
Em nota enviada ao Blog, a direção do HDM/Imip, no entanto, rechaçou veementemente a denúncia.
“O HDM/Imip de Petrolina informa que a paciente em questão, usuária do SUS, não se encontra em uma enfermaria individual da unidade materno/infantil, mas sim em uma enfermaria que possui outros leitos, máquinas e equipamentos. A mesma ocupa apenas um leito. Portanto, em nenhum momento foi tirada a vaga de outro paciente”, diz a nota.
“O HDM/Imip, como é do conhecimento de todos, possui referência para atendimento de gestantes de Alto Risco, regulando pacientes para outras unidades da Rede PEBA (Pernambuco-Bahia) apenas quando não atendem ao critério citado. Lidando diariamente com a superlotação, o hospital não costuma recusar paciente por falta de vaga ou privilegiar quem quer que seja. Todos são usuários do SUS, tratados e respeitados como tal”, finaliza a nota da direção.

Fonte Blog do Carlos Britto 

Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..