Sessão na câmara de vereadores acaba com confusão entre Cristina Costa e Ronaldo Silva


A vereadora oposicionista Cristina Costa (PT) e seu colega de Legislativo, Ronaldo Silva (PSDB), que integra a base do governo na Casa Plínio Amorim, protagonizaram, no final da sessão plenária desta quinta-feira (16), um duro bate-boca, com troca de farpas de ambos os lados. O clima já estava se acirrando entre os dois a pelo menos duas sessões atrás, quando a petista usou o termo “golpe” para se referir ao governo do presidente Michel Temer. E voltou a repetir o termo novamente na sessão de hoje.
Aborrecido, Ronaldo Silva usou a tribuna para desabafar. Mesmo ressaltando que não iria citar nomes para não dar direito de resposta, acabou mencionando o Partido dos Trabalhadores (PT), do qual Cristina e o vereador Professor Gilmar Santos fazem parte.
Ronaldo afirmou que o maior golpe foi dado nos trabalhadores, pelo próprio PT, cuja herança de 12 milhões de desempregados foi deixada para o atual governo. “Aqui nos nossos gabinetes, a gente sente essa realidade do golpe que tanto eles falam. Todos os dias a gente se depara com homens e mulheres atrás de oportunidades, por causa do governo que passou e roubou a confiança dos trabalhadores que tanto esse partido defende. Será que o povo todo que foi para as ruas é tudo golpista?”, disparou.
O vereador disse ainda que a população “se cansou da quadrilha que se instalou” no país. “Basta ver, pelos meios de comunicação, o tanto de ladrão desse partido que está na cadeia”, completou. Mas a gota d’água foi quando Ronaldo citou a nova delação do executivo da Odebrecht, o qual afirmou ter destinado R$ 8 milhões ao ex-presidente Lula, tachado por Ronaldo como “chefe da quadrilha”.
Contestação
Como o tucano acabou citando o PT, Cristina pediu a palavra para rebater as críticas. Neste momento, no entanto, o Primeiro Secretário da Mesa Diretora, Manoel da Acosap (PTB), que ocupava a presidência, decidiu encerrar a sessão, sob a justificativa de estar cumprindo o Regimento Interno. O argumento foi rebatido pela vereadora. Primeiro porque o partido dela havia sido citado. Além disso, Cristina disse que o Regimento é tolerante quando o debate é de interesse da população. A vereadora também contestou o fato de que Major Enfermeiro, como vice-presidente, era quem deveria dar a sessão por encerrada.
Antes de ter o microfone cortado, no entanto, Cristina chegou a rebater o colega. Disse que as cobranças dos adversários de Dilma Rousseff foram apenas para tirar a então presidente do poder, enquanto o país “só afundou” depois disso. Cristina afirmou ainda que Lula já foi inocentando em 47 depoimentos na Operação Lava-Jato e que os movimentos sociais não estão nas ruas porque “o atual governo golpista” não deixa. A vereadora completou afirmando que os verdadeiros ladrões estão na cúpula do governo que o PSDB de Ronaldo apoia. Ela lembrou ainda que enquanto Lula lidera as intenções de voto para presidente em 2018, com 30%, o senador tucano Aécio Neves está perdendo até para Jair Bolsonaro (PSC-RJ), segundo pesquisas.
Um cidadão que estava no plenário chegou a se dirigir à vereadora, e aos gritos pediu para o PT “deixar de choro”, mas foi ignorado por Cristina, que continuou o bate-boca com Ronaldo por alguns minutos. Com dedos em riste, os dois continuaram as ofensas, mas foram separados por colegas de Legislativo.

Fonte Blog do Carlos Britto 

Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..