Dona Benigna foi assassinada pela própria vizinha por interesse financeiro


Em entrevista coletiva realizada na tarde desta segunda-feira, (10), no auditório do Ministério Público de Petrolina, os delegados da polícia civil responsáveis por investigar o assassinado da sindicalista Abenigna Lúcia do Bonfim, 67 anos, Sara Machado, Magno Neves e Marceone Ferreira, contaram detalhes sobre a motivação do crime.


O corpo da idosa foi localizado no interior de sua residência no final da manhã do dia 05 de abril, no bairro Cohab VI, com mãos e pés amarrados  por peças de roupas da própria vítima, estando a cabeça coberta por sacolas plásticas e envolta em fita crepe. Ela também estava com fita adesiva, tendo morte por asfixia.


O crime ocorreu na noite do sábado, dia 01 de abril, quando a mesma foi vista pela última vez na frente de casa sentada junto com a vizinha, conhecida por ‘Baiana’ e uma filha adolescente. Depois desta noite a vítima, que morava sozinha, não mais foi vista por vizinhos e também não manteve contato com a família.
Pelas características do crime, não havendo qualquer sinal de arrombamento na casa, a primeira linha de investigação foi no sentido de ter sido um crime de proximidade, praticado por uma pessoa que tinha livre acesso à casa Abenigna, no caso a sua vizinha, Alessandra de Castro Silva, de 42 anos, que foi interrogada pela polícia.
Contradições nos depoimentos de Alessandra, aliada à informação anônima no sentido da participação do outro autor, Leandro dos Santos Ferreira de 20 anos, amigo da acusada e morador do bairro João de Deus no crime levaram à elucidação do caso, tendo Leandro sido localizado pela equipe de investigação com o aparelho celular subtraído da casa da vítima, após sua morte. Os dois confessaram o crime que teve como motivação roubar a sindicalista.
O delegado Marceone Ferreira revelou que dois adolescentes, um de 17 anos e outro de 14 anos, tiveram participação direta no crime. Um deles deixou o portão da casa da vítima aberto para o acesso de Leandro e o outro ficou olhando a rua para avisar sobre qualquer movimentação de pessoas. Os dois também foram internados.
“Os filhos da acusada tinham proximidade com a vítima, eles assistiam televisão na casa dela, assim como pegavam água gelada, assim constatamos a situação financeira da sindicalista. Um aparelho telefônico foi levado no dia do crime, o Léo confessou o crime e disse que Alessandra foi quem planejou o crime, juntamente com os dois filhos adolescentes, uma menina de 17 anos e outro de 14 anos. Tomamos conhecimento que um notebook também foi levado, sendo peça importante para desvendar o caso”, contou Sara Machado.
Alessandra de Castro Silva praticou o crime por fins patrimoniais e com interesse em uma poupança da vítima no valor de R$ 20 mil. Alessandra teria dado um soco no rosto da vítima, que em seguida desmaiou.
A Alessandra sabia tudo da vítima porque Abenigna confiou. Os envolvidos viviam em situação precária. Já havia uma premeditação do crime, se levantou o histórico da vítima, a acusada sabia do valor que estava na poupança, a data que a mesma recebia salário, ela sabia que tinha também uma indenização que Abenigna iria receber. O filho de 14 anos de Alessandra era a ligação entre ela e o Leandro, porque o adolescente era amigo dele. Leandro amarrou a vítima, mas disse que não lembra quando a mesma foi asfixiada. Alesandra contesta a informação do comparsa, alegando que ele a asfixiou” ,complementou a delegada.

Blog Edenevaldo Alves 

Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

1 De sua opinião, participe!:

De sua opinião, participe!
Anônimo
10 de abril de 2017 18:18 delete

O bairo é cohab massangano e não cohab VI como esta na postgem.

Reply
avatar

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..