Blogueira divulga Documentos de delação da JBS contra Paulo Câmara, Fernando Bezerra e Geraldo Julio


Essa é destaque no Blog de Noélia Brito:

“Em delação premiada perante a Procuradoria Geral da República, o executivo Ricardo Saud, da JBS, revelou que logo após a morte do ex-governador Eduardo Campos, o então candidato ao governo do Estado de Pernambuco, Paulo Câmara, acompanhado do já prefeito do Recife, Geraldo Júlio, teriam-no procurado para pedir o que o próprio delator chamou, em vídeo divulgado pelo telejornal NETV, da Rede Globo, de "propina", para ajudar a eleger Paulo Câmara governador. Em seu depoimento, o delator Ricardo Saud afirma que Geraldo Júlio e Paulo Câmara teriam feito, inclusive, um apelo sentimental à memória de Campos. 

Para corroborar seu depoimento, Saud menciona a utilização de empresas que teriam sido utilizadas como intermediárias para que os pagamentos para as campanhas de Eduardo Campos à presidência, de Paulo Câmara ao governo do Estado e de Fernando Bezerra Coelho, ao Senado, fossem realizados, chegando a citar valores e até números de notas fiscais "frias" utilizadas na "lavagem" do dinheiro repassado às campanhas do dois candidatos.




No Anexo 36, da delação premiada de Ricardo Saud, há notas e apontamentos feitos de próprio punho, indicando que do dinheiro repassado pela JBS ao PSB, R$ 11.100.000,00 teriam sido para a Nacional, R$ 2.950.000,00 para a Regional pernambucana, já que no cabeçalho são indicados apenas os nomes de Paulo Câmara e Fernando Bezerra Coelho e outros R$ 400 mil para o PPL, Partido da Pátria Livre, de São Paulo, da cota destinada pela JBS ao pagamento do que os próprios executivos da JBS chamam de "propina" ao PSB, sendo que desses valores, R$ 3 milhões teriam sido em espécie e R$ 1.210.000,00 em notas fiscais "frias", totalizando R$ 18.660.000,00”. (Com informações e imagens do Blog Noélia Brito.CONFIRA)

Confira outros documentos da Delação clicando AQUI

CÂMARA REPUDIA ACUSAÇÕES - Em nota, o governador Paulo Câmara repudiou a denúncia de recebimento de propina na campanha de 2014. "Nunca solicitei e nem recebi recursos de qualquer empresa em troca de favores", afirma no texto, em que diz não ter recebido nenhuma doação da empresa. "Tenho uma vida dedicada ao serviço público. Sou um homem de classe média, que vivo do meu salário", disse, garantindo que todas as doações feitas a sua campanha seguiram a lei, foram registradas e aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Já o prefeito do Recife, Geraldo Julio, também repudiou as acusações e disse nunca ter tratado de recursos ilegais com a JBS ou com qualquer outra empresa. "O próprio documento divulgado pela Justiça registra que as doações feitas à campanha nacional do PSB não foram por troca de favores. Todas as doações recebidas pelo partido foram legais", escreveu.

O advogado de Fernando Bezerra Coelho, André Luiz Callegari, divulgou uma nota em que afirma que "todas as doações para a campanha do senador foram devidamente declaradas e aprovadas pela Justiça Eleitoral". A defesa afirmou ainda que não teve acesso aos autos e que "repudia as declarações unilaterais divulgadas e ratifica que elas não correspondem à verdade".

Clique em player e confira a reportagem do NETV, da Rede Globo, sobre o assunto: 










Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..