Presidente em exercício, Rodrigo Maia ao lado de Paulo Câmara em casamento do Prefeito Migule Coelho


Aproveitando-se do racha no PSB, o presidente em exercício, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem conversado com dissidentes do partido para levá-los ao Democratas. Apesar do conflito de interesses, nesta sexta-feira (21), no casamento de Miguel Coelho, filho do senador Fernando Bezerra Coelho, ficou ao lado do governador Paulo Câmara, vice-presidente nacional do PSB. Maia assistiu à cerimônia com ele e o prefeito do Recife, Geraldo Julio, outra liderança socialista.
Foto: Ivaldo Regis/Divulgação
Foi a primeira vez que Maia e nomes da executiva nacional do PSB se encontraram desde que ele iniciou as ofensivas em torno dos deputados que estão descontentes com o fato de o partido ter fechado questão contra as reformas trabalhista e da Previdência e ter iniciado as críticas ao governo Michel Temer (PMDB), mesmo tendo um ministro, Fernando Filho, irmão do noivo. O objetivo de Maia é aumentar a bancada do Democratas.
Estima-se que, atraindo os socialistas insatisfeitos e outros nomes, o Democratas chegue a ter quase 50 deputados e passe a ser a terceira maior – atrás de PMDB, que tem 62, e PT, com 58. Hoje, o partido conta com 29 parlamentares e é o sétimo, com número de cadeiras menor do que o PSB, que tem 36.
O cálculo é esse porque juntam-se aos Coelho no movimento mais de dez socialistas, entre eles a líder Tereza Cristina, procurada tanto por Maia quanto por Temer para migrar para o DEM ou para o PMDB. A conversa dela com o presidente até gerou um atrito entre os dois aliados, em um momento em que o peemedebista não quer perder a lealdade de Maia, a duas semanas da votação da denúncia contra ele por corrupção passiva.
Foto: Marco Aurelio
Aliados dizem que o atrito já foi resolvido, mas chegou a respingar em Pernambuco. Ambos viriam a Caruaru, onde Temer queria também agradar o ministro Bruno Araújo (Cidades), para minimizar os problemas com o PSDB. A viagem foi cancelada para que Maia e o peemedebista não posassem juntos. Temer não queria também estar ao lado de Paulo Câmara, que é vice-presidente nacional do PSB.  (NE10)

Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..