ATENÇÃO MIGUEL! Moradores cobram políticas públicas para o Santa Luzia: 'não suportamos mais'



Os moradores do bairro Santa Luzia, em Petrolina, fizeram um apelo ao poder público municipal para melhorias urgentes na localidade. Na manhã desta quarta-feira, dia 04, uma equipe do Nossa Vozesteve no local para conhecer os principais problemas da comunidade, que, aliás, não são poucos. O presidente do Conselho dos Moradores do Santa Luzia, Francisco Luíz, explica que o saneamento da Bacia do Dom Avelar, e que chega ao bairro, teve início há 17 anos e nunca foi concluído.
“O nosso problema é o saneamento. Mas tem a segurança, a falta de escolas. Constantemente sofremos ações de vândalos nas escolas das cidades. Precismos de uma área para esportes, mas não temos apoio da Prefeitura. Precisamos de politicas publica para a nossa juventude”, explicou. A moradora da Rua Sete do Santa Luzia, Inácia Oliveira, fez um apelo à Prefeitura Municipal. “A gente enfrenta esse problema do saneamento e é uma questão muito importante porque a gente vive correndo atrás. Se a gestão de Miguel Coelho terminar esse saneamento vamos ficar muito agradecidos. Somos um barro muito carente. Precisamos de uma escola de ensino médio porque nossos filhos precisam ir estudar em outras localidades. A gente não aguenta maios tantos problemas”, desabafou.
A comunitária Socorro Neto enfatizou que a falta de segurança pública é um problema na localidade. “No momento estamos inseguros porque tem assaltos, arrombamentos, invasão de casas, aconteceu em minha rua. Eu gostaria que revesse. Não suportamos mais isso em nossa comunidade. Mandamos nossos filhos para escola com medo. Estamos no abandono total. Nossos filhos estão dentro de casa sem poder brincar na calçada”, destacou.
Os moradores até tentam viabilizar melhorias para as comunidades próximas, mas não possuem apoio do poder público. “Isso aqui virou curral de cavalos porque os animais que estão 'tomando de conta' da pracinha. A gente gosta de futebol e as crianças estamos tirando das drogas, mas não tá tendo como porque sozinho eu não consigo”, explicou o comunitário Tontonho, que mora há 17 anos que mora no bairro e quer construir uma escola de esportes com crianças.
Pedro Elias, do bairro Terras do Sul falou sobre a falta de estrutura nas comunidades próximas. “Nao temos uma área publica. O asfalto foi apenas rua 10, o saneamento só está até a rua 12. Estamos sem água no bairro. Promessa e campanha falsa é o que mais tem aqui. Teve uma campanha que disse que íamos ser contemplados com saneamento básico e eles só desentupiram uma bomba na rua 03”, recordou.
Marivaldo, do bairro São Joaquim, enfatizou que a Lagoa está causando transtornos à população. “O matagal está tomando de conta. Tem muito assalto à noite, tem que reforçar a segurança porque nossa situação é feia: já roubaram celular, bicicleta”, disse.
Em resposta aos comunitários sobre a segurança pública, o Tenente Coronel André Rodrigues, a comunidade de Santa Luzia dispõe de duas guarnições que atendem 24 h todo o José e Maria, mas que pode ver a [re]distribuição dessas viaturas. “O que a gente pede é que essas incidências sejam registradas para que a gente tenha possibilidade de catalogar onde estão ocorrendo os delitos. A gente escuta falar que aconteceu, mas não temos os dados oficiais”, explicou.

Redação Nossa Voz

Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..