Carta de desabafo dos professores contratados em Petrolina



Carta de desabafo dos professores contratados.

Em muitos lugares do Brasil existe uma grande discriminação entre os professores das Redes Públicas de Ensino. Existem aqueles foram efetivados e possuem assegurados os seus direitos e existem os que, ano após ano, são simplesmente contratados pelo prazo do ano letivo para fazer a mesma função dos efetivos, sem se beneficiar dos mesmos direitos. E no município de Petrolina não é diferente essa descriminação. 
Trata-se de uma questão econômica: é muito mais barato para a Administração Municipal contratar um professor por um prazo determinado limitado ao ano letivo, sem o registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social e sem o recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, do que manter regularmente um professor efetivo na função, que recebe salário no período das férias escolares. Além disso, os professores efetivos têm um plano de carreira, incorporam gratificações de tempo de serviço e evolução funcional aos salários e possuem todos os direitos trabalhistas de um servidor estatutário, enquanto os professores contratados recebem apenas as horas trabalhadas no período de seu contrato. 
A pessoa estuda a vida inteira, se esforça para entrar e se manter numa faculdade para então se formar professor. Em seguida o professor paga uma taxa de inscrição, presta um concurso público e consegue ser aprovado. Mas, em vez de ser efetivado lhe é oferecido um contrato de trabalho com os mesmos deveres e obrigações do professor efetivo, porém com um salário menor e sem os mesmos direitos. Ano após ano o professor segue sua sina: participa da atribuição, faz exames médicos e assina seu contrato, sempre depois do início do ano letivo, geralmente no mês de março, para cumprir um ano letivo inteiro e ser dispensado em dezembro. Como presente de boas festas a prefeitura corta salário de janeiro, e o professor deixa de existir, até que assine um novo contrato no ano seguinte.  E receberá em fevereiro os dias que é proporcional aos dias letivos do mês.  E de presente de Natal a prefeitura do novo tempo não vai fazer diferente, com os professores contratado com um contrato até trinta de dezembro de 2017, deixando os professores contratados a mercê, sabendo que essas pessoas precisam dessa renda para o seu sustento familiar e é notório que o mês de janeiro é o mês dos impostos e mais uma vez, o professor fica, angustiados, apreensivo com toda essa situação. Não existi um mínimo de bom senso por parte do novo tempo em rever essa situação desses professores que desenvolver o seu trabalho com êxito e resultados.

Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

12 De sua opinião, participe!

De sua opinião, participe!
LÉiA
3 de outubro de 2017 21:25 delete

Não estamos pedindo nada de mais ,apenas que cumpram o que declara nosso contrato ,é lei.
Apenas isso.
Não podem ser arbitrários,apenas exigimos respeito a qual nos cabe

Reply
avatar
3 de outubro de 2017 21:43 delete

Sou Stephanie professora contratada e estou bastante desnorteada com essa situação, saber que em dezembro estarei desempregada.É frustrante esta situação, pois ao sermos contratados passamos por uma série de formações as quais geram despesas ,então por que não manter os profissionais atuantes e já capacitados?
Só queremos continuar trabalhando,se o nosso contrato pode ser prorrogado ,não custa nada cumpri-lo .

Reply
avatar
Anônimo
3 de outubro de 2017 21:55 delete

Somos pais e mães de família, precisamos manter nossas famílias, sejam mais humanos, repensem suas atitudes em relação aos professores contratados.

Reply
avatar
3 de outubro de 2017 22:21 delete

Desrespeito!Esta é a palavra!
Desrespeito com nosso trabalho, desrespeito com a educação, desrespeito com as instituições escolares, com os alunos e principalmente com a nossa profissão.
A desvalorização ao professor chega a ser vergonhosa. E atitudes como essa da atual gestão Municipal ratifica tudo isso.
Petrolina é um município com grande potencial de desenvolvimento,mas isso so será possível quando realmente souber cuidar da educação do seu povo, começando pela valorização ao trabalho dos professores.
Por que não renovar os contratos?
Eis a pergunta que não quer calar...

Reply
avatar
Anônimo
3 de outubro de 2017 22:25 delete

O que falta realmente se chama: 'valorizaçao', pois somos professores e todos sabemos que damos o nosso melhor para a educação do nosso município crescer. Então gostaríamos depois questionar sim... Pois se há a possibilidade de prorrogar nosso contrato,porque não fazer assim? Tê os compromissos a cumprir assim como todos tem. Somente gostaríamos de dormir tranquilos e não ter auge sé preocupar com uma seleção que pode ser adiada. Pedimos compreensão e mais humanidade. Pois todos que estão seguros em seus empregos dormem tranquilos, menos nossa classe!

Reply
avatar
Anônimo
3 de outubro de 2017 23:42 delete

Isso é uma total falta de respeito, falta de humildade. Sr. Prefeito são pais e mães de família que se doam ao trabalho, e que também comem , pagam aluguel e contas em janeiro. Isso é revoltante .

Reply
avatar
Anônimo
4 de outubro de 2017 09:29 delete

Falta de respeito com nós professores que nos dedicamos , nos aperfeiçoamos , enfrentamos um prova para ingressar em uma universidade, que durante esse período de quatro anos ou mais estamos sempre sendo avaliados,nao o bastante quando terminamos essa jornada ainda temos que passar por mais avaliações , provas para poder garantir uma vaga de emprego por um período mínimo de um ano. O fato é que muitos mesmo após concluir o tão sonhado ensino superior ainda permanece sem emprego, desvalorizado . E eu me pergunto por que no Brasil nossa classe de professores é tão desvalorizada? Se somos nós que formamos os futuros brasileiros. Quando essa cultura errônea irá mudar ?

Reply
avatar
Ana Carla Rodrigues
4 de outubro de 2017 09:36 delete

Falta de respeito com nós professores que nos dedicamos , nos aperfeiçoamos , enfrentamos um prova para ingressar em uma universidade, que durante esse período de quatro anos ou mais estamos sempre sendo avaliados,nao o bastante quando terminamos essa jornada ainda temos que passar por mais avaliações , provas para poder garantir uma vaga de emprego por um período mínimo de um ano. O fato é que muitos mesmo após concluir o tão sonhado ensino superior ainda permanece sem emprego, desvalorizado . E eu me pergunto por que no Brasil nossa classe de professores é tão desvalorizada? Se somos nós que formamos os futuros brasileiros. Quando essa cultura errônea irá mudar ?

Reply
avatar
4 de outubro de 2017 17:16 delete

Como poderemos trabalhar satisfeitos? Sabendo que amanhã estaremos desempregados, e que tem pessoas que também dependem desse salário(filhos).

Reply
avatar
Anônimo
4 de outubro de 2017 19:47 delete

Isso é uma precariedade na educaçao.Vemos pessoas tao profissionais e eficientes passando por esse tipo de situaçao.Senhor Prefeito,olhe mais para o desenvolvimento da educação.Os professores,como qualquer outro profissional,precisam ter seus direitos assegurados.

Reply
avatar
Anônimo
16 de outubro de 2017 16:55 delete

Vão estudar e aguardar o próximo concurso, pois quem tá fora tbm quer trabalhar!

Reply
avatar
Anônimo
16 de outubro de 2017 16:58 delete

Eu sou concursada, e não sou a favor de renovação de contrato com tantas pessoas esperando um oportunidade para trabalhar.

Reply
avatar

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..