Mãe acusa PF de negar informações sobre morte da filha ocorrida nas dependências do IF Sertão-PE em Petrolina


Indignada com a morosidade das autoridades em elucidar a morte de sua filha Samara Andrade Bezerra, de 18 anos, ocorrida nas dependências do IF Sertão-PE campus Petrolina, no Bairro Jardim São Paulo (zona oeste da cidade), a mãe da estudante, Cleomilda Andrade dos Santos, após contestar a versão da escola que sua filha teria passado mal no banheiro e batido a cabeça no vaso sanitário, lamenta a demora da investigação em esclarecer o que ocorreu de fato.
De acordo com Cleomilda, a versão da escola que o laboratório estaria fechado no dia do óbito não procede, pois imagens do celular da filha provam que ela enviou uma foto para uma colega que trabalhava em uma farmácia, dentro do local, manuseando um produto químico, que provavelmente seria cianeto de potássio.
De posse da foto ela afirma ter procurado a Polícia Civil, mas que teria sido informada pelo delegado que a única coisa que poderia fazer naquele momento seria redigir um documento e enviar para a Polícia Federal. “Ele investigou o celular e depois recolheu o aparelho e enviou para a Polícia Federal”.
Cleomilda conta que a PF chegou a ir na escola e que um delegado teria lhe mostrado as imagens capturadas provando que a versão da escola não se sustenta. “Ele me mostrou uma parte das imagens constando realmente que a escola tinha criado, que minha filha tinha batido a cabeça, por que essa história aí na mídia que jogaram foi a escola que criou”, disse.
A partir daí ela afirma não ter tido mais informações sobre o caso. “Eu fui procurar o delegado de novo, assim ele me mostrou que encaminhou no dia 25 de fevereiro desse ano, me garantiu que com três meses me dava o resultado, mas por eu ter vazado um tempo aí nas rádios, a escola procurou ele, e aí parece que depois disso ele me bloqueou, não quer mais me dar notícias, não quer me dar informação de nada”, lamentou.
A declaração foi dada por Cleomilda em entrevista a Rádio Jornal nesta quarta-feira (25), na oportunidade ela também informou ter cobrado o notebook e o aparelho celular da filha, mas que o delegado teria negado. “Eu cheguei a cobrar o material da minha menina, mas ele disse que eu não tinha obrigação de fazer essa cobrança, porque a perícia tinha levado para Salvador parta fazer uma perícia mídia”.
Blog Waldiney Passos 

Compartilhe em seu

Postagens relacionadas

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..