Agricultores ligados ao MST resistem a luta latifundiária do Projeto Pontal - Blog Petrolina em Destaque

28 de fev de 2018

Agricultores ligados ao MST resistem a luta latifundiária do Projeto Pontal



A repressão contra os movimentos sociais bem como as perdas de direitos sociais e econômicos do povo está cada dia mais intensa em tempos de golpe. No Estado de Pernambuco está programado para amanhã dia 28 de fevereiro despejos intensificados nos acampamentos em varias regiões do Estado, Petrolina, Litoral Norte, Brejo, Metropolitana. Áreas de usinas, fazendas e engenhos já falidos e com muita dívida com a União, bem como sem cumprir a sua função social, vem se articulando institucionalmente, via a corpos político e judicial contra os movimentos sociais.  O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), trabalhadores e trabalhadoras estão em alerta, é luta contra o latifúndio, contra as elites que são contra a classe trabalhadora, capacho do latifúndio e do agronegócio.

Desde semana passada estamos nos preparando, organizando as famílias, fazendo ocupações e vigília no INCRA de Petrolina para que todas essas famílias sejam assentadas. A Juíza de Petrolina ameaçou e está cumprindo nos acampamentos do Pontal Sul, cortar a água do canal e luz dos trabalhadores (as) sabendo que eles (as) dependem da água para manter a produção de feijão, milho, abóbora, macaxeira, banana, manga, acerola, uva, tomate, pimentão e etc., assim sem fornecimento de água os camponeses(as) vão perder toda a sua produção e renda.

A Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf), junto com polícia militar já estão no local agora (27/02) para retirar os transformadores elétricos, materiais de irrigação, que os trabalhadores (as) compraram de forma coletiva e com muito sacrifício, e a Codevasf já entupiu o canal que leva água ate o acampamento. O Pontal Sul é marcado por luta e resistência com mais de dez anos de ocupação e várias reintegrações de posse.

O acampamento Pontal Sul foi ocupado em janeiro de 2007 com mais de 2500 famílias, na ocasião para resistir contra a Parceria Pública Privada (PPP), no período Eduardo Campos. Em 2014 as ocupações foram retomadas, a partir do acampamento Dom Thomas com mais de 500 famílias, já em 2016 a ocupação foi realizada com o acampamento Democracia com 200 famílias dando continuidade à luta denunciando e sendo contra a PPP, projeto apadrinhado pela a oligarquia política da família Coelho da mesma região, foram feitas essas duas grandes ocupações, uma área de 30 mil hectares, sendo 17 mil e 700 hectares de área irrigáveis. Hoje a área está com 1.000 famílias produzindo em mais de 300 hectares da agricultura camponesa e de subsistência.

Em 2017 com a luta e a resistência dos trabalhadores (as) diante do conflito da área, a PPP foi cancelada. Assim trabalhadores (as) oriundos da região que sonhavam com área irrigável para poder trabalhar, passaram a vivenciar o resultando da luta pela a terra. A resistência permanece!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..

Total de visualizações

Seguidores