Folião não poderá entrar com bebida, nos Polos do Carnaval de Petrolina - Blog Petrolina em Destaque

7 de fev de 2018

Folião não poderá entrar com bebida, nos Polos do Carnaval de Petrolina


O Carnaval de Petrolina (PE), é uma realização da Prefeitura, através da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes (SECULTE), em parceria com a Faz Live, concessionária que venceu o processo licitatório para explorar o festejo.
O modelo é o mesmo que aconteceu no Carnaval antecipado de Juazeiro (BA), e causou muita polêmica entre os foliões. Duas empresas da cidade baiana, venceram a licitação para explorar a festa de momo naquele município e com o direito de exploração dos espaços em mãos, os empresários cercaram o Palco do João Gilberto que fica na Orla 2 de Juazeiro.
O folião não podia entrar, se quer, com um copo descartável, sendo obrigado a consumir, apenas, bebidas e comidas vendidas pelas concessionárias no interior do fechamento. A medida causou muita polêmica entre quem foi curtir a festa, pois para eles o Carnaval havia sido privatizado.
Em Petrolina, o modelo será o mesmo. A empresa que venceu a licitação cadastrou os vendedores cobrando taxas, cujo os preços, foram muito contestados pela a Associação de Ambulantes e quem for trabalhar no interior do Polos, vai vender bebida para a concessionário ganhando 10% do que for apurado.
Da mesma forma que em Juazeiro, não será permitida a entrada de pessoas portando bebidas, nem tão pouco, isopores ou bolsas térmicas, caixas térmicas, bolsas ou qualquer outra forma de armazenar e transportar quaisquer tipos de bebida, seja alcoólica ou não.
Segundo a coordenação do Carnaval, tais medidas visam evitar a aglomeração na hora da revista pessoal, diminuindo significantemente a fila na hora da festa, bem como, a possibilidade de entrada no espaço de eventos de pessoas com armas e vasilhames de vidro ao fundo dos isopores e similares.
Segundo o diretor de Eventos da Seculte, Thulio Teobaldo, a empresa licitada fica responsável por toda parte de infraestrutura e a Prefeitura com a organização, escolha e pagamento dos artistas.
“Esse é um modelo aplicado em grandes festas em vários estados, como Ceará, Bahia, Sergipe e Pernambuco, que permite que economizemos dinheiro público.  Só em infraestrutura no Carnaval de Petrolina, estamos economizando cerca de R$ 740 mil. Em contrapartida, a empresa concessionária ganha o direito de explorar a venda de alimentos e bebidas no circuito”, explica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Indentifique-se e não seja vulgar!
Obrigado..

Total de visualizações